Desmistificando o networking

Antes de mais nada você precisa entender que networking não é pedir ajuda, não é pedir favor. Muitas pessoas veem o networking dessa forma e acabam não praticando por uma visão deturpada de um processo tão valioso e enriquecedor.


Networking é uma relação de troca. É uma estratégia de relacionamento em que duas pessoas compartilham suas experiências, conhecimentos e interesses, e mapeiam oportunidades de uma mútua contribuição. (hoje eu te ajudo, amanhã você me ajuda). É uma grande oportunidade de estabelecer conexão com as pessoas, uma relação em que se ensina e se aprende. Networking é uma mentalidade. É uma postura. É um caminho de duas vias, um processo contínuo de trocas. Lembre-se que você pode começar a fazer networking colocando-se disponível para ajudar as pessoas. Quanto maior a sua rede de contatos, mais aumentam as chances de conseguir boas oportunidades. Durante um processo de networking é importante demonstrarmos que estamos verdadeiramente interessados no que o outro tem a nos dizer, que se sintam bem em estar conosco e que saibam que estamos disponíveis e que podem contar conosco. Lembre-se que networking é uma estratégia de longo prazo e que não pode ser vista como uma relação com interesse pontual.



Como funciona:


Você pode introduzir a prática de networking em sua vida simplesmente para ampliar a sua rede de contatos, mantê-la ativa e se beneficiar com a troca de experiência e conhecimento. Quando você decide se relacionar com pessoas que são estratégicas, essa relação pode contribuir para que você obtenha insights, ideias e até ajude achar uma saída para uma situação que esteja com dificuldade de resolver. Mas como qualquer outra atividade, requer disciplina e dedicação, pois se não se organizar, o tempo passa e você acaba perdendo grandes oportunidades. Outra forma de se beneficiar da prática de networking é para o momento em que precisa abordar o mercado de trabalho para buscar emprego.


Mobilizar sua rede de contatos será muito útil para acelerar a sua busca de oportunidades. Se você se encontra neste contexto, lembre-se que ao invés de pedir emprego, é muito mais estratégico ofertar uma solução. Em entrevista concedida à Exame (Carreira S/A), o especialista em Outplacement Jose Augusto Minarelli explica que existem 04 tipos de pessoas alvo dentro de um processo de networking:


1. Contratante ou comprador do nosso serviço;


2. Informante: aquele que pode nos fornecer informações, conhecimento, orientação de acordo com nossos interesses;


3. Intermediário: aquele que abre caminhos e nos aproxima das pessoas alvo;


4. Pessoas influentes: aqueles que emprestam seu “nome”, seu prestigio, e nos apresentam a pessoas que podem nos contratar ou comprar o serviço que estamos oferecendo.


Observando então esses 04 tipos de pessoas, podemos classificar esses relacionamento sem 02 grupos:


Pessoa fim: nosso cliente em potencial, ou a pessoa que pode nos contratar.


Pessoa meio: aquela que nos ajuda com informações, orientações e nos ajudam chegar até a pessoa alvo. Jose Augusto finaliza com uma importante reflexão:


Temos poucas pessoas “fim”, mas temos muitas pessoas “meio”, que nos ofertam seu conhecimento, sua capacidade de influência e nos ajudam a chegar mais rápido aos nossos objetivos. Podemos concluir então que networking é estratégico e pode ser muito útil para você alavancar a sua carreira, colocar seus projetos no ar, recolocar-se no mercado, e assim construir uma rede de relacionamentos poderosa onde em um momento você é ajudado e em outro você ajuda.


Sensacional, não é mesmo? É importante ter consciência de que sozinhos não somos nada e não vamos a lugar algum, principalmente nos dias de hoje. É muito mais difícil conseguir as coisas sozinhos ou pode levar muito mais tempo.


Como tornar um contato de networking eficiente?


Como já abordado, networking não é uma relação de interesses, mas sim uma relação de mútua contribuição. Você precisa selecionar bem as pessoas com quem vai se relacionar e ter certeza de que elas podem contribuir com o que busca, caso contrário, você perde o seu tempo, e o que é pior “gasta” o tempo da outra pessoa.


Portanto você precisa definir uma estratégia e saber exatamente o que deseja extrair daquela relação. Tenha em mente exatamente que assunto quer trocar com a pessoa e o que espera como resultado desta conversa. Ao final, coloque-se a disposição para ajudar e retribuir a atenção que a pessoa dispensou a você. Se você não se organiza, essa pode virar uma simples conversa, com assuntos aleatórios e sem objetivo. Aí isso é amizade e não networking.


E para finalizar: Networking: “na real “- Dá trabalho!


Precisa de dedicação e disciplina! Nem sempre as pessoas estarão “disponíveis”! Esteja preparado para aqueles que não te responderem ou desmarcarem por vezes seguidas o seu encontro. - Você pode se surpreender com a atitude das pessoas. As vezes pessoas não tão próximas são as que mais valorizam este gesto de contribuição, portanto não aposte apenas nos amigos. Invista em novos RELACIONAMENTOS. - Não desista! Isso pode ser muito prazeroso e render excelentes experiências.


Boa Sorte!



Andrea Thibes é coach, especializada em Gestão de Carreira, com formação de Professional & Self Coaching pelo IBC – Instituto Brasileiro de Coaching.




Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Instagram Social Icon
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter Basic Square